Projeto do CEB / IPC premiado na 7ª edição do concurso nacional de Inovação BES

Manuel de Oliveira recebendo o Prémio da categoria Recursos Naturais & Alimentação.

Decorreu no dia 7 de Dezembro a cerimónia de entrega de prémios da sétima edição do Concurso Nacional de Inovação BES. O projeto "Plástico amigo do ambiente para regeneração de meios aquáticos e recuperação do fósforo",  venceu na categoria "Recursos Naturais & Alimentação".

A investigação premiada envolve o Centro de Engenharia Biológica e o Instituto de Polímeros e Compósitos, ambos da UMinho. Partiu do doutoramento de Manuel de Oliveira, sob orientação das professoras Ana Vera Machado (IPC) e Regina Nogueira (CEB).

Descrição do projeto:

O uso excessivo de fertilizantes em explorações agrícolas, a exploração animal intensiva e a descarga de águas residuais sem tratamento terciário conduziram ao aumento excessivo de nutrientes (como é o caso de compostos químicos ricos em fósforo) nas massas aquáticas superficiais, como é caso dos rios, albufeiras e lagos. O excesso de nutrientes conduz, em geral, ao crescimento excessivo de algas e plantas levando à eutrofização dos meios aquáticos, resultando em problemas estéticos, mau odor, cor e sabor. Estudos recentes indicam que cerca de 53 % dos lagos/reservatórios na Europa possuem massas de água eutrofizada, que estão seriamente comprometidas, podendo nos casos mais graves encontrar-se toxinas resultantes do crescimento excessivo de cianobactérias. Valores idênticos são indicados para outros continentes como a, Ásia, e a América. Com o objetivo de cumprir a Diretiva Quadro da Água, o principal instrumento da Política da União Europeia que estabelece um quadro de ação comunitária no domínio da política da água (Diretiva 2000/60/CE do Parlamento Europeu e do Conselho, de 23 de Outubro de 2000), é imperativo a recuperação da qualidade físico-química e biológica das massas de águas até 2015. Com o objetivo de colmatar as dificuldades acima referidas, foi desenvolvido um novo material polimérico que é capaz de dar resposta eficaz para este problema de dimensão mundial, que ainda não foi resolvido satisfatoriamente. Este novo material de base polimérica é constituído por um plástico que contém nanopartículas de alumínio no seu interior, e foi desenvolvido para ser colocado diretamente em colunas de água eutrofizadas, junto aos sedimentos, onde a concentração de nutrientes atinge o seu máximo.

Este novo material é estável, possui elevada resistência mecânica e não contamina a água pela libertação do alumínio, devido às ligações fortes entre alumínio e polímero. Para além de remover o fosfato e/ou polifosfato de massas de água, este novo composto permite recuperar e reutilizar o fósforo presente no fosfato removido. Este facto é especialmente relevante num enquadramento em que o fósforo mineral escasseia e a procura de fósforo aumenta (2.7% ao ano, o que equivale a 19.8 Mton de fósforo em 2012). Desta forma as massas de água eutrofizadas apresentam-se como uma reserva importante de fósforo mineral, pois com a utilização dos materiais desenvolvidos poder-se-ão obter cerca de 2Mton por ano, o que representaria aproximadamente 20% do consumo do setor agrícola mundial. Este plástico inovador apresenta um desempenho muito superior às Alternativas existentes, para regeneração de meios aquáticos eutrofizados e recuperação de fósforo, e é amigo do ambiente, pois não promove qualquer espécie de poluição adicional.

Ver mais: