Engenharia biológica da UM encerrou comemorações

As comemorações do 20º aniversário da licenciatura em engenharia biológica da Universidade do Minho encerraram ontem com visitas aos laboratórios do departamento, no Campus de Gualtar.

Uma oportunidade para dar a conhecer as instalações que o Departamento de Engenharia Biológica ocupa há cerca de dez anos. «A mudança ocorreu há mais ou menos dez anos. Nessa altura, duplicámos o espaço que tínhamos disponível», conta João Peixoto, professor auxiliar do Departamento de Engenharia Biológica.

Mas actualmente e dado o crescimento desta área científica, o departamento já "sofre" de alguma falta de espaço. «Existe uma actividade intensa nos laboratórios e temos cerca de 200 pessoas a trabalhar, entre professores, funcionários e alunos, incluindo dos de mestrado», notou o docente.

Para João Peixoto, a criação da licenciatura em engenharia biológica na Universidade do Minho foi «boa aposta». «Na altura havia um ou outro curso com características semelhantes, mas não com esta dimensão. Foi uma aposta arrojada mas que resultou bem e isso vê-se pela aceitação dos alunos que preenchem todas as vagas existentes», sublinha.

O professor auxiliar do Departamento de Engenharia Biológica refere que esta é uma área com aplicações que se reflectem no dia-a-dia das populações seja na alimentação (lacticínios e vinhos) ou na área ambiental, com processos de controlo de poluição por via biológica.

Apesar das transformações operadas devido ao processo de Bolonha, o docente mostra-se optimista em relação ao futuro da engenharia biológica tendo em conta o dinamismo do departamento.

A Universidade do Minho foi pioneira em Portugal no lançamento de uma licenciatura em engenharia biológica, tendo o primeiro curso sido iniciado em Outubro de 1986.

Desde então a Universidade do Minho formou mais de 500 licenciados em engenharia biológica cuja área de intervenção se situa em domínios multidisciplinares das Ciências e Tecnologias Biológicas e Químicas, nas Indústrias de Fermentação (Alimentar e Biocombustíveis), Farmacêutica e Agro-alimentar, na Indústria Química e nas áreas Biomédica e Ambiental.