Laboratórios virtuais para preparar alunos

Pioneiro Projecto a nível nacional arranca em Setembro na Universidade do Minho Ferramenta de experimentação on-line

É um dos casos práticos onde está a ser aplicado o dinheiro pago pelos alunos da Universidade do Minho (UM) através das propinas e é também uma ideia única a nível nacional no que se refere à abrangência e principais objectivos. O projecto "Laboratórios Virtuais" vai começar em regime piloto, no início do próximo ano lectivo e vai permitir que alunos de sete departamentos da UM, ligados às áreas das engenharias, ciências, medicina, ensino básico e educação e psicologia, possam "desenvolver experiências on-line preparando-os para depois para a realidade dos laboratórios".

O responsável pelo desenvolvimento e aplicação desta ideia é o professor do departamento de Engenharia Biológica, Eugénio Campos Ferreira que apresenta ainda mais virtualidades dos laboratórios virtuais "para além dos alunos terem que responder a um inquérito auto avaliativo para evitar más preparações, o projecto permite também a todos aqueles, que por impossibilidades várias não tenham um laboratório físico, acedem a conteúdos de determinadas experiências virtuais".

A segurança, risco e custo são factores importantes e que aqui ficam completamente salvaguardados. Quanto aos conteúdos dos laboratórios, Campos Ferreira explica que é "possível os alunos verem filmes de experiências reais em tempo comprimido, ter acesso a animações gráficas, simular uma experiência (interacção com determinados parâmetros e efeito da introdução de variáveis) e numa fase posterior o controlo remoto das experiências".

Esta última parte é a componente mais ambiciosa já que vai permitir que o aluno possa interagir na hora, através de uma web-cam, nas experiências que estão a decorrer. Jogos matemáticos com aplicação prática para professores também vão estar acessíveis.

Numa primeira fase, os laboratórios virtuais irão funcionar com complemento ao estudo de cerca de mil alunos, mas "quando estiver em velocidade cruzeiro", o número poderá triplicar, podendo também nesta fase mais avançada servir para ministrar cursos à distância. Os 69100 euros que a reitoria investiu, no âmbito do projecto de qualidade da UM, saiu das propinas pagas pelos alunos e "é um dos mais emblemáticos até porque está a ser financiado com mais dinheiro".

Outra das particularidades do projecto é o facto de ser o único a nível nacional "com esta aposta global envolvendo toda a universidade". Em Lisboa "há um ao nível de uma escola", no Porto "funciona um num determinado departamento".

Pedro Antunes Pereira


Related Content