Minho, Porto, Aveiro e Coimbra lideram ensino da Química

Avaliação das universidades

Na área da Química e Processos, as licenciaturas melhor classificadas são as das universidades do Minho, Porto, Aveiro e Coimbra. Esta é apenas uma das conclusões que se podem tirar a partir da leitura do relatório síntese elaborado pela comissão que, no âmbito do segundo ciclo de avaliação das universidades portuguesas, coordenado pelo Conselho Nacional de Avaliação do Ensino Superior, apreciou as formações ligadas à Química. Os especialistas atribuíram uma classificação aos vários itens analisados em cada curso.

Ao todo, foram visitadas pelos membros da comissão de Química e Processos 17 licenciaturas. Foram definidos três níveis de classificação - A, B e C - mas os redactores do relatório advertem que estes "resultam da comparação de todos os cursos avaliados, os quais darão indicação da menor ou maior necessidade de melhoria". Quer isto dizer que um A não corresponde a uma situação de "excelência" nem um C pode ser lido como "medíocre", prosseguem os avaliadores.

As licenciaturas de Bioquímica e Química Alimentar da Universidade de Aveiro, Engenharia Biológica da Universidade do Minho, Engenharia Química da Universidade do Porto e Engenharia Química da Universidade de Coimbra destacam-se pela positiva: conseguiram a nota A em seis dos sete itens analisados, que vão desde o currículo e métodos até ao corpo docente, passando pelas instalações e equipamentos. O curso de Engenharia Biotecnológica da Universidade Lusófona merece alguns reparos: tem C em todos os campos analisados.

Os especialistas notam que "continua a haver cursos de Química e Processos que admitem alunos com classificações negativas e com formação de base inadequada" e que, embora o corpo docente tenha "qualificação bastante", a sua média etária "começa a atingir valores preocupantemente elevados".