Microorganismos removem metais das águas residuais

O Departamento de Engenharia Biológica da Universidade do Minho está a desenvolver um processo integrado para a recuperação e reutilização de metais pesados presentes nas águas residuais industriais.
Na base da investigação encontra-se a biossorção, ou seja, o sequestro de iões metálicos por parte de microorganismos vivos ou mortos e produtos derivados.

A biossorção é uma alternativa aos processos físico-químicos tradicionais que, apesar da sua elevada eficácia, tornam-se dispendiosos em termos energéticos e de consumo de produtos químicos quando aplicados ao tratamento de efluentes com baixas concentrações metálicas. Além disso, alguns destes processos provocam a formação de grandes quantidades de lamas, que, após prensagem e desidratação, são acumuladas em recipientes de estanquicidade duvidosa.

Com o intuito de avaliar a eficiência do processo e as reais possibilidades de aplicação, assim como de se desenvolver um sistema de biossorção de baixo custo e de fácil implementação e manutenção, foram realizados estudos de biossorção de soluções metálicas diluídas (< 100 mg/l) em minicolunas de leito expandido de carvão activado granular (GAC) usado como suporte de um biofilme bacteriano. Os estudos preliminares já realizados apontam para a forte potencialidade de utilização industrial deste sistema de biossorção, onde o GAC permite fixar os poluentes orgânicos presentes em muitas águas residuais industriais, enquanto o biofilme retém a carga metálica.