Biotecnologia mais amiga do Ambiente

Semana de Engenharia Biológica da UM A licenciatura em Engenharia Biológica realiza na próxima semana conferências, concursos e visitas às escolas no sentido de perspectivar o desenvolvimento da tecnologia química e alimentar e as novas formas de controlo da poluição. Estas iniciativas fazem parte da “Semana de Engenharia Biológica”, a decorrer de 21 a 25 do presente mês, que se insere no programa de comemorações dos 25 anos da Escola de Engenharia da Universidade do Minho (UM).
Manuel Mota, director do departamento de Engenharia Biológica, perspectiva grandes desenvolvimentos na área da saúde e na área das novas formas de controlo da poluição. Explicando que “a Biotecnologia da primeira metade do século XX estava voltada para a indústria da fermentação”, quer na área alimentar da produção de queijos, iogurtes, cervejas, quer na produção de antibióticos e que na segunda metade se voltou para a agricultura e a biologia, com os trangénicos, as hormonas e a insulina sintética, este investigador prevê que “no século XXI a biotecnologia estará voltada para a resolução dos problemas das indústrias pesadas e químicas altamente poluentes e agressoras do ambiente”.

A par da área da saúde, que continuará a ter um progresso muito forte, “as celusoses, a indústria, dos curtumes, as petrolíferas e as metalomecânicas serão os sectores alvo da biotecnologia e as grandes beneficiadas com os seus progressos – sustenta Manuel Mota. Este professor da UM constata que “já existe muita tecnologia implementada e experiências piloto a decorrer, pelo que dentro de 10 a 15 anos as novas tecnologias de controlo e reaproveitamento de resíduos estão implantadas massivamente nas grandes indústrias”.

Questionado sobre o grau de interesse por parte da indústria pesada na implementação dos novos processos mais amigáveis para o ambiente, Mauel Mota mostrou-se optimista, “já que a regulamentação nos países desenvolvidos é bastante restritiva e as próximas empresas terão vantagens económicas com muitos destes processos – referiu.

Tecidos humanos artificiais
A engenharia dos tecidos humanos é outra área de ponta com cerca de dez anos de investigação e que “conhece actualmente desenvolvimentos fantásticos”, que pareciam só ser possíveis na ficção científica – sustenta Luis Marcelo Pereira, que vai fazer uma conferência exactamente nesta área de investigação.

“Desde o isolamento e cultura de células in vitro do dador para utilização futura, como a pele para casos de queimados a cartilhagens para suprir processos degenerativos irreversíveis, ao desenvolvimento de biorectores implantáveis capazes de produzir insulina – refere Luis Pereira , investigador da Universidade de Lisboa, que também vai participar numa aula aberta, “os resultados que vão sendo publicados apenas nos deixam antever o que de inimaginável nos reserva o futuro próximo – conclui o investigador.

Restrição aos transgénicos terá consequências
Os recentes desenvolvimentos da regulamentação internacional acordados na última reunião internacional em Toronto, Canadá, com estabelecimento do princípio de soberania dos estados quanto à importação de alimentos geneticamente modificados, não é necessariamente positivo, já que, refere Manuel Mota, “terão seguramente consequências negativas a nível económico”.

Sobre o acordo de Toronto, que o Governo português apresentou como uma vitória da Uniâo Europeia, não é certo que surta grandes efeitos já que, notou o investigador, “os EUA e a China não o subscreveram”. Como grandes potências económicas e populacional que são respectivamente “poderão continuar a desenvolver trangénicos ou, no caso da China, importar a tecnologia mais desenvolvida que porventura exista noutros países”, ganhando com isso vantagem no comércio internacional.

Envolver alunos do Secundário
Nem só de problemas científicos vive a semana de biológica, sendo de referir os concursos e questionários destinados aos alunos do secundário, que pretendem divulgar a licenciatura de Engenharia Biológica e sensibilizá-los para alguns dos problemas éticos e científicos que enfrenta a investigação científica nesta área. Neste sentido, “alguns grupos de alunos finalistas vão às escolas da área de Braga contar as suas experiências e falar de aluno para aluno – disse Joana Azeredo, professora deste curso.

Do programa da Semana de Engenharia Biológica destacam-se, na terça-feira, dia 22, a aula aberta “O dia-a-dia dos biofilmes no dia-a-dia do ser humano”, pelas 14H30 por Luis  Melo e a conferência “Engenharia dos tecidos humanos”, que será proferida pelas 15H00, por Luis Marcelo Pereira. Será apresentado um artigo científico da autoria de Manuel Mota sob o tema “A biotecnologia do próximo milénio”.